segunda-feira, 21 de julho de 2008

[...]silêncio é palavra que não faz segredo.

Tem momentos que a gente se cansa de querer assumir um papel que não é nosso na própria vida e também na vida dos outros. Deixar que Deus seja Deus, Senhor de tudo, de todas as coisas, de todas as paixões, Senhor do tempo, do medo, da saudade. Senhor de tudo.

Especialmente hoje, após mais um susto, eu me lembrei dessa música. Música que há tempos me ajudou a parar para receber a ilustre visita do Homem que sentou à beira do poço para mostrar à samaritana o sentido real da vida, a direção, o norte. O Homem que enxugou suas lágrimas, que acolheu as verdades, ouviu a mais sincera confissão. Confissão de quem bateu em muitas portas desejando encontrar a coisa certa, porém, em lugares errados.

Estou aqui, novamente. Tentando acertar, tentando assumir, tentando dar mais um passo, tentando voltar, recomeçar. E todas as vezes que volto naquele poço, me lembro que a fonte está em outro lugar.
-----
Onde é que você vai com tanta pressa
Com esse ar de quem tem muito o que fazer
Se eu posso lhe pedir alguma coisa eu lhe peço: senta aqui
Como um dia eu sentei naquele poço
E a amizade visitou meu coração
Fui amigo e o esposo que faltava e hoje pode ser também assim
Os seus olhos me revelam tanta sede e não sou indiferente a sua dor
Mas tem coisas que não faço, não são minhas, dependem
Somente do seu querer
O milagre se dará por duas vias
Uma é minha e a outra deixo pra você
Se você trouxer a mim a sua água eu devolvo vinho
Chega mais perto, não tenha medo
Não diga nada, silêncio é palavra que não faz segredo
Se for preciso enxugo seu rosto
Lágrimas são fragmentos de história que posso entender
Eu lhe vejo entrelaçado com tantos erros
Machucando tanta gente sem saber
Infeliz vai se tornando pouco a pouco, por favor, queira voltar
Não prometo dar-lhe um jardim de flores
Mas prometo a força pra poder plantá-lo
E asseguro no cultivo estar bem junto, se preciso, lhe consolar
Cantaremos a semente germinada, podaremos o que não puder crescer
Cada poda há de ter ensinamento eu vou lhe ajudar a compreender
Sou o verbo do princípio feito carne
Sou o Deus que resolveu ter coração
E hoje está sentado à beira deste poço
Mirando o seu rosto, na voz deste moço, lhe dando um recado
Que se for possível espero visita, não tarde em chegar
A casa é a mesma, o mesmo endereço, espero por lá
Chega mais perto...

[Pe Fábio de Melo - Mais perto]

Um comentário:

Pelirroja disse...

Amiga, saudades.
E nada de pão de queijo, né.
Rummmmm!

=/

Beijocas, linda.